Los Angeles: Cenário real

Ir a Los Angeles e não visitar Hollywood é como ir a Roma e não ver o papa. Mas se a imagem da cidade que personifica o sonho de quem busca a fama é impregnada pela indústria do entretenimento, Los Angeles, ou simplesmente LA, também tem vida e luz próprias. Então, o turista que desembarca na cidade, pode conhecer seu lado mais pop no Hollywood Boulevard, mas também deve visitar outros lugares tão interessantes quanto, e menos óbvios. Em LA tudo é superlativo e um bom exemplo para começar a explorar a cidade é a Marina Del Rey. A Oeste do Centro, o lugar ostenta o título de maior marina do mundo para embarcações de pequeno porte. Na verdade, é um conjunto de 19 marinas com capacidade para mais de 6 mil embarcações. O turista que deseja fazer atividades físicas dispõe de stand up paddle, caiaque e até uma interessante pedalada em uma espécie de bicicleta aquática. A Marina Paddle (www.venicepaddleboards.com), no píer 44, oferece equipamentos e treinamento para que o visitante possa explorar sozinho ou em grupo as águas próximas ao local.

As atividades esportivas são apenas um aperitivo do que a Marina Del Rey oferece. Na vila de pescadores se concentram restaurantes e charmosas lojinhas. Não dá pra ir a pé. Mas se você estiver em LA e não alugar um carro, melhor nem ir. Se o negócio é caminhar na beira do mar, Marina Del Rey tem o seu waterfront walk. Quem curte bike pode utilizar o Marvin Braude Bike Path, uma ciclovia costeira que vai desde Washington Boulevard até a icônica Venice Beach. Para quem passa o dia perto dos barcos, há diversas opções de restaurantes, entre eles uma unidade da clássica rede Cheesecake Factory, restaurante que, para mim, o prato principal é exatamente a sobremesa. A casa tem uma quase infinita lista de sabores de cheesecakes. O difícil é saber qual escolher. Uma opção, aliás de muito bom gosto, é o Salt, restaurante ehttp://www.zinccafe.com bar no hotel Ritz Carlton Marina Del Rey (www.pacificahotels.com/salt). O charme é se sentar do lado de fora para curtir o pôr do sol acompanhado de um bom drinque. Se estiver friozinho, peça para acender a lareira a céu aberto, um luxo. Aproveite para fazer uma foto e publicar na sua rede social. A casa é bem urbana com um menu internacional e moderno, galgado principalmente em ingredientes frescos. A carta de vinhos também é uma atração à parte, com vinhos e coquetéis. Não se esqueça de dar uma olhada nela.

Nos anos 1980 assisti pelo menos 50 vezes ao filme Xanadu. Olivia Newton John era Kira, uma musa que descia do Olimpo para inspirar um artista. No tempo em que patinar com polainas era o máximo, a musa aparecia pela primeira vez ao seu inspirado patinando pelo calçadão de Venice Beach. Difícil não linkar a icônica praia californiana a cenas de cinema. São milhares de produções rodadas ali. O local em si não tem uma beleza natural cativante, mas o que acontece em Venice Beach é o que a torna tão especial. Se você quer ver e ser visto, então é preciso caminhar. Performances, shows, exposições ao ar livre, lojinhas de suvenires e muita pegação é o que o espaço oferece. Quem não gosta de caminhar pode optar pela bicicleta ou ainda patinar. Não se esqueça de dar um pulo em outro lugar muito explorado pelo cinema, o píer. Além de ser o preferido dos pescadores da região, o píer é perfeito para se debruçar e apreciar a imensidão do Oceano Pacífico.

los-angeles-eduardo-gregori-04
Walt Disney Concert Hall

LA hype
Nos anos 1990, a então degradada área de West Washington foi convertida na descolada Abbot Kinney. De lá pra cá, a região vem se tornando cada vez mais hype e charmosa. Nada de grandes shoppings ou peregrinações de turistas. Abbot Kinney é para quem gosta de comer e se vestir bem, apreciar arte contemporânea, além de comprar roupas e acessórios assinados pela nova geração de estilistas da Costa Oeste dos Estados Unidos. Não é lá muito barato, mas vale cada centavo. Aproveite para levar vinhos californianos, requintados e com preços mais em conta do que no Brasil. Não chegue cedo. O costume do bairro é pensar em funcionar lá pelas 10 da manhã. Dê uma passada no Intelligentsia Coffee (www.intelligentsiacoffee.com/location/venice-coffeebar). À primeira vista é uma cafeteria básica e que não chega a impressionar. Porém, os cafés servidos ali são da melhor qualidade. O atendimento é simples e direto. No caixa, escolha um café e um salgado ou doce, siga a fila e receba seu pedido. O ambiente é superdescontraído e próprio para conectar à rede wi-fi gratuita e surfar na internet. Ao lado fica uma loja vintage com preços bem atraentes. Não deixe de conferir. Pela calçada é bom ficar com os olhos abertos para não perder uma promoção.

Já no Centro, outra opção estilosa para comer é o restaurante Perch (http://perchla.com). Vale lembrar que, após as 21h, apenas maiores de 21 anos são admitidos. O Perch é um bistrô cujo serviço segue o que preconiza a cozinha francesa. No 15º andar do edifício onde está localizado se tem uma vista privilegiada da cidade. Se o frio bater, há duas lareiras e ainda aquecedores. Antes de provar seu delicado e marcante menu, o cliente deve experimentar a refinada carta de vinhos ou optar pelos variados e cosmopolitas drinques, que vão de amargos, cítricos, aos mais doces. O Perch tem espaço coberto e ao ar livre.

O cliente que deseja maior intimidade pode subir ao 16º andar. O maior charme da casa, além de seus pratos e drinques, é a programação cultural. Imagine-se assistindo um show de jazz ao vivo, ao mesmo tempo em que degusta uma bebida e tendo a sua frente uma vista deslumbrante de LA. É um prazer para poucos. Não deixe de fazer reservas, pois a casa fica sempre lotada. Outro lugar charmoso, porém, para começar bem o dia é o Zinc Cafe (www.zinccafe.com). O menu tem de tudo, do reforçado e típico breakfast norte-americano (com salsichas, panquecas e muito xarope de maple) a opções light (com frutas e fibras) e vegetarianas. O espaço é supersimpático e aconchegante e, além de desfrutar de uma boa refeição, é possível levar para casa itens de decoração, para a cozinha, vinhos e também comidinhas saudáveis.

Passeio a cavalo no Sunset Ranch

Hospede-se com estilo
Estar em Los Angeles demanda uma boa hospedagem. Há opções para todos os gostos, desde clássicos inspirados na aura hollywoodiana ao mais modernos e outdoors como o Ritz-Carlton Marina del Rey (www.ritzcarlton.com/en/Properties/MarinadelRey/Default.htm). A propriedade à beira-mar fica pertinho de Venice Beach e tira proveito dos dias ensolarados da Califórnia. Com a maioria dos quartos voltados para o mar, o Ritz-Carlton é elegante em muitos aspectos, desde a piscina com vista para a marina, até a mobília dos quartos em madeira polida, varanda privativa e amenities indispensáveis, como uma máquina de café. E se o visitante não quer pensar muito na hora de comer, o restaurante Salt é uma ótima opção. Além disso, o hotel tem academia completa com sauna e um serviço de aluguel de bicicletas para explorar a região. Em uma primeira impressão o Line Hotel (www.thelinehotel.com) pode parecer um tanto quanto industrial. As paredes e pisos de concreto à vista causam impacto. Na verdade, são apenas cenário para deixar claro que a propriedade segue a nova ordem mundial da preservação do meio ambiente. Mas a decoração rústica contrasta com a bela vista da cidade e da decoração dos quartos, que têm o moderno formato dos estúdios.

Aproveite para conhecer o restaurante Pot, que fica no lobby. Dedicado à culinária coreana, o menu é um dos mais exóticos da cidade. E não tenha preconceito em experimentar comidas que nunca tenha provado. Porém, é importante informar sobre alergias, especialmente os frutos de mar, que são o carro-chefe da casa. Com a Calçada da Fama bem à sua porta, o The Redbury (http://theredbury.com) revive os dias de glória de Hollywood. O hotel é para quem aprecia o clássico com uma pitada moderna. Os apartamentos são completos, com cozinha e varanda, uma delas para o icônico edifício da Capitol Records. Decorado com um certo ar da indústria cinematográfica dos anos 1950, o Redbury é a melhor opção para quem pensa em ficar em Hollywood. A poucos passos fica o frenético Hollywood Boulevard, além de estar próximo também da chique Beverly Hills. O Redbury tem uma cama superconfortável, além de amenities de grife no banheiro e cafés de distintos terroirs disponíveis com a máquina de café e de chá. Não deixe de jantar no Cleo, um dos melhores e mais elegantes restaurantes instalados na região.

los-angeles-eduardogregori-01

Muitos lugares para ver em um só dia
Cansou de explorar a cidade a pé? Uma opção é o Hop-On Hop Off Starline Sightseeing Bus (www.starlinetours.com/los-angeles-tour-HOHO.asp). O ônibus turístico passa por importantes sítios históricos, entre eles a Union Station, teatros e cinemas, os bairros de Little Tokyo, Chinatown, o Staples Center (onde ocorreu a cerimônia fúnebre de Michael Jackson), o Grammy Museum e o Grand Central Market. Uma das paradas que mais impressionam é da Catedral de Nossa Senhora dos Anjos. No entorno do templo, barracas instaladas por imigrantes e sem-teto revelam ao visitante as feridas sociais de um país ainda sacudido pela crise econômica. Um contraponto é o Walt Disney Concert Hall (www.discoverlosangeles.com/what-to-do/culture/walt-disney-concert-hall-music-center), edifício desenhado pelo célebre Frank Gehry nos moldes do emblemático Museu Guggenheim de Bilbao, no País Basco. O edifício com curvas em aço se transformou em um das marcas de Los Angeles. Uma ode à arte, o centro abriga exposições permanentes e temporárias, além de ser a casa da Orquestra Filarmônica de Los Angeles e do Los Angeles Master Corale. A estrutura possui uma das mais impressionantes acústicas do mundo e é palco de apresentações dos mais diversos estilos musicais.

Universal Studios

Depois de uma volta pela região central, desça no Grand Central Market (www.grandcentralmarket.com). O mercado é, antes de tudo, um lugar para comer bem. É simples, mas se o presente não é tão bem embrulhado, o conteúdo é de literalmente dar água na boca. E no Grand Central Market há de tudo: de bala de goma a caviar. Basta escolher, sentar e se deliciar. E quem gosta de pechincha, no subsolo fica uma loja latina, com produtos a preços reduzidos. Mas é no primeiro piso que o mercado ferve. É ali que os novos chefs de Los Angeles vão buscar seus ingredientes e inspirações, e por isso, se tornou um dos queridinhos dos moradores. Antes ou depois de se jogar em um prato generoso ou em um lanchinho gourmet, passe pelo G&B Coffee, bem na entrada. Talvez, esta seja a melhor cafeteria da cidade. Expressos e chás com grãos dos melhores terroirs do mundo são servidos pelos simpáticos baristas. Não esqueça de pedir um donut, feito artesanalmente.

Pegue o ônibus de volta e dê uma parada no Grammy Museum (www.grammymuseum.org). É uma visita muito divertida, que tem como objetivo conhecer de perto a história da premiação e, de quebra, fazer uma viagem musical pelo viés da indústria fonográfica norte-americana. O museu dispõe de estações em que é possível interagir com a música. A evolução da tecnologia também faz parte do passeio em uma instalação que toca a mesma canção desde o gramofone até equipamentos digitais. Cabines instigam o visitante a gravar e mixar músicas e ouvi-las em tempo real. Apesar da Música Popular Brasileira ter artistas de renome internacional, a parte dedicada aos artistas latinos preferiu representar o Brasil com Michel Teló. Gosto um tanto quanto duvidoso do que a verdadeira música brasileira tem a oferecer ao mundo.

Arte florescente
A mais adequada tradução para o LA Arts District seja uma tela gigante a céu aberto. Próxima a Little Tokyo, antiga área industrial degradada e cinzenta, o distrito foi convertido em um ponto de peregrinação de artistas de rua que tomam de assalto as paredes para preenchê-las com obras viscerais e cheias de cores. Para ver de perto o que está acontecendo nas “telas de concreto” é preciso caminhar. Separe um bom tempo para este setor e aproveite para fazer muitas fotos. Além de pinturas, o bairro abriga galerias estúdios e simpáticos cafés, bons para sentar e apreciar a arte acontecendo.

Outro lugar vibrante, mas do ponto de vista gastronômico, é o Farmer’s Market (www.farmersmarketla.com). O tradicional mercado, fundado em 1934, é conhecido por seus produtos frescos e de qualidade. Para quem não tem a intenção de fazer compras, a praça de alimentação é o destino mais que certo. São mais de 100 restaurantes com pratos que contemplam a culinária de todo o planeta. Até o Brasil tem ali uma típica churrascaria. Aliás, a cozinha latina é representada em variados restaurantes espalhados pelo lugar. E depois de um almoço saboroso, quem deseja fazer compras basta seguir até o shopping The Grove (www.thegrovela.com), shopping que fica bem ao lado. Lojas de departamento, de eletrônicos, e grifes famosas se reúnem em um grande espaço a céu aberto, ótimo para curtir, principalmente no final da tarde, com o sol iluminando o cenário. Mesmo quem não compra vai gostar do local, que tem praças, cafeterias, sorveterias, restaurantes e lanchonetes espalhadas por todo o charmoso complexo, e ainda conta com um autêntico bonde, que transporta os visitantes entre o mercado e o shopping.

Hollywood
Impossível ir a Los Angeles e não visitar lugares que nos façam lembrar da cidade como a capital do cinema. Não há como escapar da onipresença hollywoodiana. Para quem vai se aventurar pelos cenários cinematográficos, o passeio deve começar pelo óbvio, o letreiro de Hollywood, que é o símbolo de Los Angeles para o mundo. Uma maneira menos cansativa de chegar bem perto sem se cansar dos morros inclinados e empoeirados é cavalgando.

 

O Sunset Ranch (www.sunsetranchhollywood.com) oferece passeios a cavalo pelas áridas colinas de Hollywood. A experiência mexe, e muito, com a adrenalina. Primeiro porque os cavalos, por instinto, seguem na borda de ribanceiras. Quem tem vertigem ou medo de altura precisa avaliar. Quem não tem medo, garanto que será um passeio e tanto. Além disso, no meio do caminho, é possível vislumbrar de longe a cidade moderna que se tornou Los Angeles. O contraste é chocante: do morro seco e cheio de pó se avista o horizonte dominado por arranha-céus em aço e vidro. Aproveite para fazer uma foto do emblemático letreiro e postar na sua rede social. As cavalgadas são em grupo e podem durar entre uma, duas ou mais horas, dependendo do valor contratado. É bom ter paciência e confiar nos cavalos. Alguns fazem o percurso há tanto tempo que não obedecem mais o comando do cavaleiro, ainda mais se ele for de primeira viagem como eu.

Do cenário que mais lembra o velho Oeste, passo ao Universal Studios, um parque descomunal que tira proveito de tudo o que produz e que é sucesso na telona e na telinha. O passeio de ônibus é indispensável. Ele passa por sets de shows da TV e viaja por produções cinematográficas, entre elas o bairro da série Desperate Housewives e o cenário devastador da queda de um avião do filme Guerra dos Mundos. O roteiro também reserva momentos engraçados como a locação de Tubarão, de 1975, época em que as técnicas de efeitos especiais ainda eram muito rudimentares. Porém, em outra atração, o ônibus entra em uma espécie de cinema 3D, em que King Kong luta com dinossauros e junto, balança muito o veículo. O parque abriga ainda diversas atrações como montanhas-russas virtuais e reais baseadas em produções da Universal e até a praça de alimentação é temática, com lanchonetes e restaurantes inspirados em desenhos animados como Os Simpsons.

Por fim, o mais óbvio possível é caminhar por Hollywood Boulevard. Se em outros cantos da cidade não há tantos pedestres, em Hollywood é bem diferente. Tenha paciência pois o local é apinhado de gente e não apenas de turistas. Sósias de celebridades e pessoas vestidas de personagens do cinema querem, a todo custo, ganhar uma graninha tirando fotos com os visitantes. Apesar do inconveniente, a visitação é obrigatória para quem quer ver de perto atrações, como o TCL Teatro Chinês, lugar onde as celebridades vão para assistir à pré-estreias ou o Dolby Theatre, atual casa da cerimônia do Oscar. Em Hollywood Boulevard há de tudo, de cinemas a lojinhas de suvenires, bares, restaurantes e lanchonetes. Aproveite para fazer umas compras. Apesar do local ser bem turístico, algumas redes de lojas de departamentos com preços acessíveis têm unidades ali. Para quem pensa em se jogar de cabeça em uma tarde de compras em lojas de grife sem ter que pensar no orçamento, o melhor é seguir para a famosa Rodeo Drive, em Beverly Hills.

Outros Posts
VÍDEOS E REDES SOCIAIS
Assista ao Programa Eu Por Aí e se inscreva no nosso canal no YouTube

Curta nossa página no Facebook
Curta nosso perfil no Instagram


Eduardo Gregori

Eduardo Gregori é jornalista profissional especializado em turismo. Eduardo Gregori is a professional tourism journalist

Leia Também